sexta-feira , 19 outubro 2018
Home / Destaque / Sem pagamento, funcionários do Albert Schweitzer negam atendimento Atendimento só em caso de morte

Sem pagamento, funcionários do Albert Schweitzer negam atendimento Atendimento só em caso de morte

Imagem reprodução TV GLOBO

Funcionários do Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Oeste, recusaram atender pacientes que procuraram a unidade na noite de quinta-feira (20). Quem procurou a unidade na madrugada desta sexta-feira (21) foi informado que apenas a UPA estava atendendo e que a unidade estava recebendo apenas pacientes graves.

Imagem reprodução TV GLOBO
Imagem reprodução TV GLOBO

Segundo pacientes, os funcionários alegaram que não estão recebendo pagamento. “Não tem médico, não tem atendimento, só procurar UPA. Tenho muita dor nas minhas costas. Não consigo ficar em pé. Falta de pagamento que falaram. Só sala amarela, vermelha e eu não consigo atendimento. Agora vou procurar um UPA”, disse o paciente Sidnei Ramos, que saiu sem ser atendido do local.

Célio Luiz Camilo dos Santos, de 53 anos, chegou com fortes dores na coluna, esperou mais de sete horas por atendimento. Segundo a mulher dele, Ruth de Souza, ele só conseguiu sair de casa numa ambulância.

“Então, eu cheguei aqui ontem (quinta-feira) no final do dia. Foi o Samu quem trouxe. E até agora não recebeu atendimento. O Samu precisou da maca. Então, largaram ele ali na poltrona. Já falei com o chefe da equipe e ele falou que ia analisar o caso. E o meu esposo continua gritando com dores imensas nas costas, puxando para o abdômen. E ninguém resolve nada”, reclamou Ruth.

Os funcionários disseram para Ruth levar o marido para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, na Zona Norte.

“Só que eu não tenho como levar porque ele está gritando de dor. Precisaria novamente de ajuda, mas eles falaram que não tem o que fazer, que eu podia levar ele embora. Eu falei que eu não ia levar, que daqui eu não ia sair”, falou a mulher do paciente.

Depois que Ruth conversou com a equipe de reportagem na porta do hospital, uma médica apareceu dizendo que, finalmente, atenderia Célio. A mulher argumenta que chegou às 18h de quinta-feira e reclama que sete horas depois o marido ainda não tinha feito nenhum exame.

Fonte G1

Veja Também

Imagem reprodução Redes Sociais

Agente da PRF é morto com tiro na cabeça dentro de seu carro em São João de Meriti

O agente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Leandro Marques Verli foi morto, na manhã desta ...